Estilos


Os bonsai obedecem a estilos que imitam as árvores na natureza, existem tantos que não seria possível nomeá-los a todos aqui. No entanto deixo-vos uma pequena lista dos mais utilizados.


APRUMADO - CHOKKAN
Também denominado Ereto formal. A sua forma geral é cónica com ramos em escada e tronco vertical adelgaçando em direção ao topo. O Larício, o Cipreste, Pinheiro, Cedro, Espruce, Teixo etc. são as melhores espécies para a plantação neste estilo.

INCLINADO - SHAKAN
Estilo como o anterior mas a planta, embora ereta, apresenta-se inclinada em relação ao vaso.

ERECTO INFORMAL - MOYOGI
Este estilo é agradável á vista, o tronco mantém-se ereto mas curvado, com formas caprichosas. Quase todas as espécies de árvores se prestam a uma plantação neste estilo mas são os zimbros e os pinheiros japoneses as mais indicadas.

ESPANADOR - HOKIDACHI
Como o nome indica tem o aspeto de uma vassoura virada ao contrario. O tronco adelgaça desde a sua base até ao seu topo. Ulmeiro, Zelkova, Carvalho e Vidoeiro são as mais indicadas para este estilo.

TRONCO DUPLO - SOKAN
Neste estilo existe um tronco que domina, é maior e mais grosso, enquanto o segundo tronco nasce no primeiro terço da parte inferior do tronco principal. Este estilo é conhecido por "pai e filho". Existe a versão de tronco triplo Sankan chamado de "pai, mãe e filho". As árvores que melhor se prestam a este estilo são os Acer japoneses.

CASCATA - KENGAI
O tronco recai sobre o rebordo do vaso e imita uma árvore que pende de uma falésia. A parte inferior deste Bonsai deve ficar num plano mais baixo que o vaso. Outra variante deste estilo é a Meia Cascata - Han Kengai, tal como poderemos ver esse pinheiro no fundo desta página.

MEIA-CASCATA - HAN KENGAI
A meia Cascata não é tão acentuada como a anterior, cascata.
As pernadas de um dos lados crescem para fora do vaso na horizontal, ou ligeiramente descaído, mas sem nunca ultrapassar a base do vaso.

BATIDO PELO VENTO - FUKINAGASHI
Este estilo faz lembrar uma árvore enraizada num ambiente adverso, fustigada pelos ventos fortes. Todas as pernadas estão orientadas para um dos lados.

LITERATI - BUNJINGI
Estilo livre. Neste estilo o bonsaísta tenta retratar as árvores representadas nas pinturas milenares do Sul da China que retratam um minimalismo e uma simplicidade estética muito acentuada. Os bonsai Literati deve passar a ideia de movimento, leveza e simplicidade.

FLORESTA - YOSE UE
Plantam-se neste estilo varias árvores de diferentes idades e tamanhos numa bandeja, tendo o cuidado de plantar as maiores ao centro e as mais pequenas nos extremos e por trás para conferir profundidade ao projeto. Geralmente utilizam-se para este estilo árvores mais jovens que não ficariam bem em vasos individuais.
 ☯ Segundo os cânones japoneses e por motivos religiosos, as florestas plantam-se sempre contendo um número ímpar de árvores acima de 9, (11, 13, 15, por exemplo). Até 9 plantas é considerado grupo. A única exceção tolerável é um grupo par de 2 árvores. No ocidente, por respeito à cultura, devemos seguir essa norma.

MULTIPLOS TRONCOS - KABUDACHI
Também conhecido por raízes interligadas. Bons bonsai nascem de cepos de árvores cortadas e de onde começam a despontar rebentos vários que o bonsaista aproveita e encaminha como sendo árvores independentes.

BALSA - IKADABUKI
Este estilo da-nos o aspeto de uma floresta, no entanto não o é.
É um estilo interessante de fazer, trata-se de um tronco caído em que as pernadas são orientadas para cima, como se fossem árvores independentes.
Para o conseguir o bonsaísta deixa o tronco na horizontal, removendo a casca na parte em contacto com a terra e esperar que crie raízes.
De notar que a raiz principal se deve manter até as novas raízes se terem formado, só então o tronco se separa da raiz principal.

RAÍZES EXPOSTAS - NEAGARI
É um bonsai com raízes expostas. Na natureza o processo de erosão do solo podem levar árvores a ficarem com as raízes parcialmente expostas. Outro exemplo são os manguezais.

AGARRADO À ROCHA - SEKIJOJU
Agarrado à Rocha. As raízes abraçam uma rocha e prolongam-se até entrar no substrato, ficando uma parte fora da terra e fazendo parte do tronco. Na imagem abaixo pode encontrar um Olmo-chinês neste estilo.


NO estilo SEKIJOJU, Agarrado à Rocha, as raízes abraçam uma rocha ficando fora da terra tornando-se assim parte do tronco. Este estilo é muito apreciado mas demorado a aprimorar, devido ao tempo que requer a preparação da planta. Veja no menu anterior "Seculares", como trabalhar este estilo.
  Outra variante é o ISHIZUKI, Plantada sobre a Rocha, onde as raízes são acomodadas em saliências da própria rocha e cobertas com musgo.